Confira os principais riscos da cirurgia para aumentar os seios

Embora o Brasil seja o segundo país que mais realiza cirurgia plástica, só atrás dos EUA, o que muita gente não sabe, ou não leva em consideração,é que como qualquer cirurgia, a cirurgia plástica também oferece riscos ou complicações.

Infecção, trombose, rompimento dos pontos, parada cardíaca são só alguns dos possíveis riscos.

O fato é que embora eles sejam mais comuns em pessoas que possuem doenças crônicas, anemia ou que tomem anticoagulantes, os riscos existem para qualquer pessoa, principalmente, quando a cirurgia dura mais de 2 horas, em caso de anestesia geral.

Sem dúvida, a melhor maneira de evitar possíveis os riscos ou complicações com uma cirurgia plástica é realizar o procedimento em uma clínica ou hospital, com um cirurgião plástico membro da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica e seguir todas as suas recomendações no pré e pós operatório.

Uma dica para aumentar e firmar os seios sem precisar de cirurgia é fazendo o uso do Femme Busto que é um produto natural que ajuda no aumento e fortalecimento dos seios.

7 possíveis complicações na cirurgia plástica

  1. Hematoma e manchas roxas

Desenvolver hematoma é a complicação mais comum da cirurgia plástica, que ocorre devido ao acúmulo de sangue na região operada, causando inchaço e dor. Também podem surgir manchas roxas, Pelo fato dos vasos sanguíneos se romperem durante a cirurgia.

Na verdade, essas são complicações esperadas,muito comuns em cirurgias para corrigir pálpebras, como blefaroplastia, lifting facial ou lipoaspiração, e costumam ser tratadas apenas com uso de gelo ou aplicação de pomadas, desaparecendo em até 2 semanas após a cirurgia.

  1. Diminuição da sensibilidade

Devido ao inchaço na região operada, pode ocorrer a perda de sensibilidade em cima da cicatriz, embora a tendência é essa sensação ir diminuindo com o tempo.

  1. Cicatrizes deformadas

Após qualquer cirurgia plástica, pode ocorrer o surgimento de cicatrizes grossas, deformadas e queloides, embora sejam mais comuns em cicatrizes maiores.

Também é possível desenvolver nódulos debaixo da pele, causados pela formação de um tecido duro no local, que repuxa a pele.

Também, em alguns casos, podem surgir uma cicatriz retrátil, repuxando a pele para dentro e criando um buraco na região operada.

Sem dúvida, a melhor forma de tratar cicatrizes deformadas é com sessões de fisioterapia estética, ou refazendo a cirurgia plástica, para corrigir a cicatriz.

  1. Acúmulo de líquido

No caso de inchaço, pele avermelhada, dor e sensação de flutuação no local da cicatriz, pode estar havendo o chamado seroma.

Para evitar esta complicação é recomendado o uso de faixas, cintas ou curativos compressivos no pós-operatório, assim como, repousar e usar um dreno para remover o líquido em excesso.

Em alguns casos, pode ser preciso retirar o excesso de líquido com uma seringa para facilitar a recuperação.

  1. Abertura dos pontos

A abertura dos pontos ou grampos pode causar risco de desenvolver uma infecção, e o tempo de cicatrização aumenta.

Geralmente, isso acontece quando a pessoa realiza movimentos excessivos no pós-operatório, sem cumprir o repouso recomendado pelo médico, sendo mais comum em cirurgias como abdominoplastia.

  1. Infecção

É mais comum haver o risco de infecção em torno da cicatriz, porém, pode ocorrer uma infecção interna, causando sintomas como inchaço, dor, febre e pus.

E mais, quando é feita a aplicação de próteses de silicone, como mamoplastia de aumento, também pode ocorrer a rejeição da prótese, surgindo a infecção, tratada com medicamentos específicos, receitados pelo médico.

  1. Trombose

É extremamente importante ficar atento para no caso de haver formação de trombos ou coágulos, sendo comum sentir inchaço e intensa dor nas pernas, principalmente, na panturrilha, além de pele arroxeada e, se não for tratados rapidamente, os coágulos podem deslocar-se para os pulmões e provocar embolia pulmonar, que é muito grave e pode ser fatal.

Justamente, para evitar esta complicação, o médico costuma receitar anticoagulantes, e pedir para movimentar os pés e as pernas mesmo em repouso.

E vale ficar atento, pois além dessas complicações acima citadas, também pode ocorrer necrose, que é a morte dos tecidos por falta de sangue e oxigênio, ou ainda, ocorrer a perfuração de órgãos. Porém, ambas são complicações mais raras, mais relacionadas a inexperiência do cirurgião plástico.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *