A Revista Natureza Humana passou a adotar, a partir de 2008, os padrões de referência e citação utilizados pela American Psychological Association (APA).
Menu Principal
Buscar no Site
Login
Usuário:

Senha:




Home / Pesquisa / Pesquisas Concluídas / A clínica do vazio: uma interpretação winnicottian

A clínica do vazio: uma interpretação winnicottiana do fenômeno do “desligamento”, observado na clín

ATIVIDAES/PESQUISAS REALIZADAS
Pesquisador: Maria Leopoldina de Siqueira Leal.
Orientador: Prof. Dr. Zeljko Loparic. 
Instituição: Pontifícia Universidade Católica de São Paulo.
Departamento/Programa: Programa de estudos pós-graduados em Psicologia Clínica.
Título: A clínica do vazio: uma interpretação winnicottiana do fenômeno do “desligamento”, observado na clínica dos adolescentes.
Banca: Prof. Dr. Zeljko Loparic, Profª. Drª. Melanie Copit, Prof. Dr. Gilberto Safra.
.
Projeto de Mestrado
Resumo: Neste trabalho, a autora se propõe relatar uma experiência clínica, envolvendo o estudo de uma série de casos de adolescentes identificados por seus pais e professores como “desligados”.
Este desligamento engloba uma série de atitudes que revelam desinteresse, apatia e dificuldade geral de relacionamento com o ambiente, num grau acentuado. O estudo faz uma abordagem desse fenômeno clínico à luz da teoria do amadurecimento humano de D. W. Winnicott.
Esta aproximação dos casos clínicos à teoria winnicottiana sugere uma origem longínqua do problema, situada na primeira infância, ao tempo da primitiva relação mãe-bebê, deslocando o problema do âmbito das mudanças físicas e psicológicas próprias da adolescência, sugerindo como etiologia uma falha do ambiente, que gerou uma parada no desenvolvimento, suficiente para propiciar o surgimento de traços esquizóides. A autora discute uma forma de tratamento para estes adolescentes de acordo com a proposta winnicottiana de uma terapia pela  regressão à dependência. 
Palavra-chave: adolescência – desligamento – esquizoidia – falha ambiental – psicoterapia.

Bibliografia: 
Obras de Winnicott:

Winnicott, Donald W. 1958a (W6): Collected Papers: Through Paediatrics to Psychoanalysis, Londres, Tavistock. Trad. bras.:  Textos selecionados - da pediatria à psicanálise. Rio de Janeiro,  Francisco Alves, 1982.
_______1964a (W7): The Child, the Family and the Outside World, Londres, Penguin.  Trad. bras.: A Criança e seu Mundo. Rio de Janeiro, Zahar Editores, 1971. 
_______1965a (W8): The Family and Individual Development, Londres, Tavistock. Trad. bras.: A Família e o Desenvolvimento do Indivíduo. Belo Horizonte, Interlivros, 1980.
_______1965b (W9): The Maturational Processes and the Facilitating Environment, Londres, Hogarth Press and the Institute of Psychoanalsis.  Trad. bras.: Ambiente e os Processos de Maturação. Porto Alegre, Artes Médicas, 1983.
_______1971a (W10): Playing and Reality, Londres, Penguin.  Trad. bras.:  O Brincar e a Realidade. São Paulo, Imago, 1975.
_______1971b (W11): Therapeutic Consultations in Child Psychiatry, Londres, Hogarth Press and the Institute of Psychoanalysis. Trad. bras:  Consultas Terapêuticas em Psiquiatria Infantil. São Paulo, Imago, 1984.
_______1977 (W12): The Piggle – an account of the psycho-analytic treatment of a little girl, London, Penguin. Trad. bras.: The Piggle: relato do tratamento psicanalítico de uma menina. Rio de Janeiro, Imago, 1987.
_______1984a (W13): Deprivation and Delinquency, Londres, Tavistock. Trad. bras.:  Privação e Delinquência. São Paulo, Martins Fontes, 1987.
_______1986b (W14): Home is Where We Start From, Londres, Penguin. Trad. bras.: Tudo Começa em Casa. São Paulo, Martins Fontes, 1989.
_______1986a (W15): Holding and Interpretation: Fragment of an Analysis, Londres, Hogarth Press and the Institute of Psychoanalysis. Trad. bras.:  Holding e Interpretação. São Paulo, Martins Fontes, 1991.
_______1987a (W16):  Babies and Their Mothers, Londres, Free Association Books. Trad. bras.: Os bebês e suas mães. São Paulo, Martins Fontes, 1988.
_______1987a (W17): The Spontaneous Gesture, Selected Letters, Cambridge, Massachusetts, Harvard University Press. Trad. bras.: O gesto espontâneo. São Paulo, Martins Fontes, 1990.
_______1988 (W18): Human Nature, Londres, Winnicott Trust. Trad. bras.: Natureza Humana. Rio de Janeiro, Imago, 1990.
_______1989a (W19):  Psychoanalytic Explorations, London, Karnac. Trad. bras.:  Explorações Psicanalíticas. Porto Alegre, Artes Médicas, 1994. 
_______1993a (W20): Talking to Parents, London, Winnicott Trust. Trad. bras.: Conversando com os pais. Rio de Janeiro, Imago, 1999. 
_______1996a (W21): Thinking about Children, London, Karnac. Trad. bras.: Pensando sobre crianças. Porto Alegre, Artes Médicas, 2000. 

Referências Bibliográficas

Abram, Jan. 1996: The Language of Winnicott, a Diccionary of Winnicott’s use of Words, London, Karnac.
Aberastury,  Arminda e col. 1980: Adolescência, Porto Alegre, Artes Médicas.
Assoun, Paul-Laurent 1996: Metapsicologia Freudiana, Rio de Janeiro, Zahar.
Bettelheim, Bruno 1988: Uma vida para seu filho, Rio de Janeiro, Campus. 
Bouwlby, John 1969: Attachment and Loss, London, Hogarth Press.
Canguilhem, Georges 1995: O normal e o patológico, Rio de Janeiro, Forense Universitária.
Catafesta, Ivonise M. org. 1996: D.W. Winnicott na Universidade de São Paulo – a tradição independente na psicanálise contemporânea. São Paulo, USP.
Connor, Steven 1993: Cultura Pós Moderna, São Paulo, Loyola.
Copit, Melany S.; Hirchzon, C.M. 1997: “Transicionalidade: a psicanálise no final do século XX”. In: Donald Winnicott na América Latina, Rio de Janeiro, Revinter.
Dias, Elsa O. 1997: , “A regressão à dependência e o uso terapêutico da falha do analista”. In: Outeiral, J./Abadi, S. coords., Donald Winnicott na América Latina, Rio de Janeiro, Revinter.
________1996: “O olhar que não vê”, comunicação apresentada no colóquio come-morativo ao Centenário de Winnicott, São Paulo, USP.
________1998: A teoria das psicoses em D.W. Winnicott (Tese de doutoramento em Psicologia Clínica, PUC, São Paulo).
Fairbairn, W.R.D. 1996: Psychoanalytic Studies of The Personality, New York, Routledge.
Giddens, A. 1991:  As conseqüências da modernidade, São Paulo, Unesp.
Guntrip, H. 1992: Schizoid Phenomena, Object Relations and the Self, London, Karnac.
Harvey, David 1994: Condição Pós-Moderna, São Paulo, Loyola.
Josselyn, Irene M. 1972: El adolescente y su mundo, Buenos Aires, Psique.
Kahr, Brett 1996: D.W. Winnicott: a biographical portrait, London, Karnac.
Khan, M. Masud R. 1984:  Psicanálise: teoria, técnica e casos clínicos, Rio de Janeiro, Francisco Alves.
Klein, Melanie 1969: Psicanálise da Criança, São Paulo, Mestre Jou.
_______1982: Os progressos da psicanálise, Rio de Janeiro, Guanabara/Koogan S.A.
_______1985: Inveja e Gratidão, Rio de Janeiro, Imago.

Laing, R.D. 1988: El yo dividido, México, Fondo de Cultura Económica.
Laplanche & Pontalis 1991: Vocabulário da Psicanálise. São Paulo, Martins Fontes.
Le Guen, Claude 1991:  A dialética freudiana – A prática do método psicanalítico, São Paulo, Escuta.
Loparic, Zeljko 1997: Descartes Heurístico, Campinas, IFCH. 
_______1990: Heidegger réu – um ensaio sobre a periculosidade da filosofia, Campinas,  Papirus.
_______1995: Ética e Finitude. São Paulo, Educ.
_______1997: “A máquina no homem”, Psicanálise e Universidade, n. 7, p. 97.
_______1991: “Um olhar epistemológico sobre o inconsciente freudiano”, In: O inconsciente, várias leituras. org.  Knobloch, F., São Paulo, Escuta, p. 45.
_______1994:  Prefácio in Figueiredo, L.C., Escutar, recordar, dizer, São Paulo, 1998: “É dizível o inconsciente?”, Colóquio Winnicott, PUC-SP, 05-06-1998.
_______1995: “O conceito de Trieb na Psicanálise e na Filosofia”, texto ampliado da comunicação apresentada no XV Congresso da Sociedade brasileira de Psicanálise, Recife.
_______1996 “Winnicott: uma psicanálise não-edipiana”. Percurso, ano IX, n. 17, pp.  41-47.
_______1996: “Winnicott e o pensamento pós-metafísico”. In: Catafesta I., org., D.W. Winnicott na USP, Instituto de Psicologia da USP, São Paulo, pp. 21-45.
_______1995: “Winnicott e Heidegger: afinidades”. Boletim de Novidades. Pulsional, São Paulo, ano 8, n. 69, pp. 53-60.
Milner, Marion 1992: The Hands of the Living God, an account of a psycho-analytic treatment, London, Hogarth Press.
Newman, A. 1995: Non Compliance in Winicott’s Words, London, Tree Association Books.
Ogden, Th. 1996: Os sujeitos da psicanálise, São Paulo, Casa do Psicólogo.
Pessanha, Juliano G. 1992: “O ponto K – Heidegger e Freud”, IDE, revista Soc. bras. de psicanálise, São Paulo.
Safra, Gilberto 1995: Momentos mutativos em psicanálise – uma visão winnicottiana,  Casa do Psicólogo, São Paulo.
Santos, S. M. Mercedes , Repensando sobre a função de pais de adolescentes – uma visão winnicottiana (dissertação de mestrado em Psicologia Clínica, PUC-SP, 1998).
Searles, H.F. 1993: Collected Papers on Schizophrenia and Related Subjects, London, Karnac.
Sechehaye, M.A. 1964: La realization simbólica – diário de uma esquizofrénica,  Fondo de Cultura Economica, Mexico-Buenos Aires, 1964.
Spitz, René A. 1983: O primeiro ano de vida, um estudo psicanalítico do desenvolvimento normal e anômalo das relações objetais, São Paulo, Martins Fontes.
Vilete, Edna P. 1996: “Um coração no inverno”, comunicação apresentada no Colóquio Winnicott, São Paulo, PUC.

Publicação: Resumo publicado em Revista Natureza Humana (Revista Internacional de Filosofia e Práticas Psicoterápicas), v. 2, n. 2, p. 452-453, 20  00, Educ. 


Veja Também
Indique esta página a um amigo! Preparar para Impressão





Copyright © 2007 by CWSP  |  Desenvolvido por ABNEXO